Cidades

Vigilância Sanitária interdita clínica de estética clandestina

Uma clínica de estética na Rua João Caetano, no bairro Alcântara, em São Gonçalo, foi fechada na última terça-feira (8) em uma ação conjunto entre a Vigilância Sanitária e a Polícia Civil. A responsável pelo estabelecimento foi levada para a 74ª DP para prestar esclarecimentos.

O local funcionava sem licença sanitária e sem profissional habilitado para realizar procedimentos invasivos, com utilização seringas e agulhas. Alguns desses procedimentos, como a carboxiterapia, devem ser realizados somente por profissionais habilitados, com especialização em estética.

O local funcionava sem licença sanitária e sem profissional habilitado para realizar procedimentos invasivos, com utilização seringas e agulhas. Alguns desses procedimentos, como a carboxiterapia, devem ser realizados somente por profissionais habilitados, com especialização em estética.

Além dos procedimentos irregulares, o local tinha condições insalubres, com muita sujeira na sala onde eram realizadas as consultas. O estabelecimento realizava vários serviços sem autorização da Vigilância Sanitária e, também de forma irregular, utilizava medicamentos para realização dos procedimentos, como desoxicolato, lidocaína (emagrecedor), prometazina injetável (fenergan), anti-histamínicos, ácido hialurônico, entre outros fármacos, que foram apreendidos na ação. Alguns medicamentos estavam fora da data de validade.

Além dos procedimentos irregulares, o local tinha condições insalubres, com muita sujeira na sala onde eram realizadas as consultas. O estabelecimento realizava vários serviços sem autorização da Vigilância Sanitária e, também de forma irregular, utilizava medicamentos para realização dos procedimentos, como desoxicolato, lidocaína (emagrecedor), prometazina injetável (fenergan), anti-histamínicos, ácido hialurônico, entre outros fármacos, que foram apreendidos na ação. Alguns medicamentos estavam fora da data de validade.

A Vigilância Sanitária de São Gonçalo destaca que a realização de procedimentos invasivos e administração de produtos injetáveis para fins estéticos só podem ser realizadas por profissionais habilitados. A realização desses procedimentos por pessoas sem instrução profissional e a administração de medicamentos vencidos colocam em risco a saúde e a integridade física daqueles que se submetem a esses tratamentos.

Fonte: SÃO GONÇALO – A Tribuna RJ